Mulher se casa com próprio filho, se separa e se casa com a filha

decidiram se casar, resolver os problemas, um processo judicial,

 

06Entenda as consequências de um lar destruído

Patricia Ann Spann, aos 43 anos de idade, voltou a responder um processo judicial. Dessa vez está sendo processada pelo Ministério Público dos Estados Unidos por se casar com a própria filha, Misty Velvet Dawn Spann, de 18 anos.

De acordo com a legislação local, o incesto (prática de relação sexual ou união matrimonial entre parentes próximos) é crime e pode render até 10 anos de prisão. Patricia, porém, alega que não tinha conhecimento de estar agindo contra a lei, já que Misty não tem o nome da mãe registrado em seus documentos.

Misty e seus dois irmãos foram adotados pela avó paterna ainda na infância, após Patricia perder a guarda das crianças. Somente poucos anos atrás a mãe voltou a ter contato com os filhos. Mãe e filha alegam que “se deram bem” desde que se reencontraram e decidiram se casar.

Porém, essa não é a primeira vez que Patricia é processada. A investigação do caso levou a Justiça a descobrir outro casamento incestuoso dela. Entre 2008 e 2010, ela foi casada com o filho mais velho, Jody. Ele pediu a anulação do casamento após 15 meses de matrimônio por ela ser a sua mãe biológica. Ela, por sua vez, alega que se casou com o rapaz para evitar que ele servisse nas Forças Armadas.

“Eu acredito que não há razão para ela pôr minha irmã nessa situação”, declarou o outro filho de Patricia, Cody. “Ela forçou a minha irmã a isso, muitas pessoas sabem. Que tipo de pessoa você tem que ser para colocar a sua própria filha em algo assim? Se é isso o que ela quer é problema dela, mas nenhum de nós, filhos, queremos isso. E agora ela colocou a minha irmã atrás das grades por causa dessas escolhas. Por que não assume essa posição sozinha, como mãe? ”

Consequência X Fatalidade

O caos envolvendo Patricia e os filhos se repete de muitas outras formas. Consequência de lares destruídos, de pais que não assumiram a responsabilidade de ter uma família, que não colocaram Deus à frente em suas escolhas.

“É lamentável vermos pessoas sofrendo porque ainda não perceberam a diferença entre os problemas que surgem em nossas vidas sem a nossa interferência e aqueles que são resultado de decisões erradas que tomamos. Podemos chamá-los, respectivamente, de fatalidade e consequência”, afirma o bispo Adilson Silva, em artigo publicado na Folha Universal.

E ele acrescenta: “Fatalidade é aquilo que não podemos evitar, mas consequência é aquilo que é lógico, matemático, previsível, etc. Assim como dois e dois são quatro em qualquer lugar do mundo, as escolhas erradas que fazemos vão gerar problemas que não precisaríamos passar se escolhêssemos o correto.”

Patricia perdeu a guarda dos filhos há muitos anos. Eles foram criados pela avó paterna. Ela abriu mão de lutar e resolver os problemas, e as consequências vieram. Não há informações sobre o que exatamente ela pretendia ao se casar com os filhos, mas, como destaca o bispo Adilson, é preciso que cada um entenda que escolher é algo muito sério e, quando fazemos uma escolha, abrimos mão de todas as outras possibilidades.

“Infelizmente, parece que há pessoas que têm o dom de escolher sempre o pior para si mesmas. Uma boa dica é não tomar nenhuma decisão em momentos em que a emoção estiver acentuada. Em momentos de tristeza, alegria, raiva ou qualquer tipo de comoção, não se precipite. Espere que passe e então decida apoiado na razão. Você não terá uma vida sem problemas, eles sempre existirão, mas certamente se poupará de muitas dores.”

Gostou? Então compartilha:

Related Post

Deixe um comentário