Viúva reencontra marido morto após 23 anos

Centro de Ajuda local, Escola da Fé, ir ao hospital,

Viúva reencontra marido morto após 23 anos

Linda Hoagland recebeu um telefonema do marido dela, Richard, em que ele informava a necessidade de ir ao hospital com urgência. Longe dele, Linda sugeriu que Richard a esperasse para que fossem juntos, mas a resposta foi negativa.

“Ele me ligou no trabalho dizendo que estava doente e que precisava ir ao pronto-socorro. Eu sugeri que ele me esperasse e ele respondeu: ‘Não. Eu não tenho tempo para esperar.’”

Essa foi a última vez que os dois se falaram. Linda o procurou nos hospitais, necrotérios e em todos os lugares que poderia imaginar, sem sucesso. Em 2003, 10 anos após o desaparecimento, Richard finalmente foi declarado morto pela Justiça. Além da esposa, ele deixou também um filho.

Morto-vivo

Há poucas semanas, nos Estados Unidos, um jovem pesquisava a árvore genealógica dele em um website quando descobriu que o tio, o pescador Terry Symansky, morto em 1991, tinha uma família na Flórida. Alarmado, o rapaz buscou mais informações a respeito e descobriu que, na verdade, um homem utilizava os documentos do tio. Era Richard Hoagland, o esposo de Linda, que todos acreditavam estar morto.

Richard, fingindo ser Terry, já tinha ali uma esposa e um filho. À polícia que investiga o caso, ele se justificou: “Eu queria me separar da minha segunda esposa, Linda, mas não poderia passar por um divórcio novamente.”

Hoje Richard está preso, e tanto Linda quanto a terceira esposa, Mary, divorciaram-se dele.

Fuga da verdade

Richard passou 23 anos fugindo de sua realidade. Incapaz de encarar o seu fracasso, passou a viver na mentira.

O palestrante Renato Cardoso explica que existem dois tipos de mentirosos: aqueles que mentem por medo das consequências de suas ações e aqueles que mentem como hábito, porque vivem a mentira:

“Aqueles que mentem como modo de operar enganam deliberadamente, sem ressentimento ou reserva, a fim de alcançar os seus objetivos egoístas. Sabem o que estão fazendo. São bons nisso. Convincentes. E perigosos.”

Quando essas mentiras estão em um relacionamento, especialmente num relacionamento amoroso, é certo que a relação está fadada ao término. “Não há relacionamento em que há mentira. Se você pensa que há, aí você está mentindo para si mesmo”, afirma Renato.

A pessoa que se envolve em um relacionamento com um mentiroso tem grandes chances de se machucar. Por isso, assim que a mentira é descoberta é preciso tomar atitudes que façam o errado sofrer as consequências de suas ações.

“Mudança sempre é possível, e sou o primeiro a crer nisso. Mas não são amor e paciência que vão causar essa mudança. Perdoar o mentiroso e deixá-lo se sentir a vítima não o ajudará. A sua melhor chance de mudar é sofrer as consequências de suas mentiras. Assim, a dor, a perda, a vergonha, a humilhação e outros castigos que a própria vida impõe aos mentirosos podem levá-los ao verdadeiro arrependimento.”

Hoje, tendo deixado várias vítimas pelo caminho, Richard está sofrendo as consequências de seu comportamento. É possível que ele aprenda a lição, mas, para isso, terá que reconhecer os erros e se esforçar para mudar o seu comportamento.

Ele precisa do que chamamos de crescimento espiritual. E você? Acha que também precisa? Compareça ao nosso encontro Escola da Fé no seu Centro de Ajuda local e receba a inspiração necessária para enfrentar as dificuldades do dia a dia.

Data: Toda quarta-feira
Horário: às 19h30 (também às 7h, 10h, 12h e 15h)

Gostou? Então compartilha:

Related Post

Deixe um comentário