Doenças cardiovasculares em mulheres

Centro de Ajuda local, fatores de risco cardiovascular, reunião da Saúde, todos os anos,

saúde siteDe acordo com dados do Ministério da Saúde do Brasil, todos os anos quase 20 mil mulheres morrem no país em decorrência de problemas cardiovasculares. A primeira causa de morte entre as brasileiras é o Acidente Vascular Cerebral (AVC) e a segunda é o infarto. O curioso é que a população em geral relaciona essas doenças muito mais aos homens. Entretanto, a incidência vem crescendo entre as mulheres e o índice de mortalidade por infarto é maior no público feminino.

No mundo, as doenças cardiovasculares são a maior causa de mortes entre as mulheres, com 8 milhões de mortes por ano. Esse número é oito vezes maior do que o de mortes por câncer de mama.

• O uso concomitante de pílula anticoncepcional e cigarro pode acarretar morte súbita.
• O infarto em mulheres é mais fatal do que entre os homens.
• No Brasil, as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte entre as mulheres.
• Entre as brasileiras, 1 em cada 5 mulheres adultas está em risco de desenvolver doenças cardiovasculares.
• Os sintomas das doenças cardíacas nas mulheres podem ser diferentes dos sintomas nos homens.
• Apesar do alto risco, poucas mulheres visitam o cardiologista regularmente.

Neste momento em que mais mulheres têm jornada de trabalho em tempo integral, aumento do estresse, do fumo e do consumo de alimentos ricos em colesterol ruim, a investigação para diagnóstico da doença arterial coronária é importante.

Os fatores de risco cardiovascular são os mesmos para as mulheres e os homens. Mas, enquanto alguns desses fatores não podem ser controlados, como idade e histórico familiar, a maioria deles pode ser evitada por meio de mudanças de comportamento, a exemplo do tabagismo, a obesidade, a má alimentação e o sedentarismo.

Previna-se

Os especialistas garantem que 80% dos ataques cardíacos e infartos prematuros podem ser evitados. Portanto, atenção para as recomendações abaixo:

• Observar o histórico familiar.
• Não fumar.
• Seguir uma dieta balanceada, reduzindo o sal e o açúcar.
• Praticar regularmente exercícios físicos – pelo menos 30 minutos de atividade física cinco vezes por semana.
• Fazer uma avaliação anual com o cardiologista, principalmente a partir dos 40 anos.
• No climatério e após a menopausa, redobrar a atenção, pois os índices de infarto aumentam.
• Consultar periodicamente a ginecologista para usar corretamente os anticoncepcionais.

Se você quer mais dicas para cuidar de sua saúde ou se precisa de apoio espiritual complementar ao tratamento médico que você possa estar recebendo, participe de nossa reunião da Saúde, que acontece todas as terças-feiras, no seu Centro de Ajuda local.

Gostou? Então compartilha: