Como Deus é Justo!

parte de Deus, Ser de Deus, sua própria bênção,

bp macedo site copy

Portanto, temos, através dessas três referências, uma revelação do Ser de Deus. Ou seja, sabemos Quem Ele é, o que Ele sente, como Ele age, que gostos Ele possui e outras informações sobre a Sua essência.

Então, para que o ser humano consiga ter um relacionamento com o Altíssimo, é preciso que ele compreenda a Sua natureza.

Gostaria de destacar aqui, a justiça de Deus, que constitui num pilar para o Seu Trono. Isso significa que a justiça sobressai como um traço marcante na Personalidade Divina e determina como o SENHOR governa, julga e retribui aos homens conforme o proceder de cada um.

Deus é Justo porque Ele é Santo! Temos, portanto, certeza de que nEle nunca houve nem haverá um só erro.

Por ser justo assim, Deus criou anjos e homens com vontade própria. Podemos dizer que essa liberdade foi o que custou mais caro a Ele. Por causa desse poder de decisão, Lúcifer se arruinou ao optar por se rebelar no Céu. Da mesma forma errada, agiram Adão e Eva ao escolherem desobedecer a uma ordem Divina no Éden. Contudo, nada disso fez o Altíssimo mudar de ideia e remover o direito de escolha das Suas criaturas.

E por que Ele age assim?
O Todo-Poderoso quer que cada um colha exatamente aquilo que decidiu plantar, ou seja, somente o homem é o responsável por sua própria bênção ou maldição.

Não foi assim que aconteceu com Caim e Abel?
Os dois irmãos estavam livres para ofertar, ou não. E até no momento de dar, decidiram, por si mesmos, o que dar, porque Deus não estipulou a oferta que queria receber.

Nas Escrituras, encontramos detalhes do quanto Abel foi zeloso, criterioso e cheio de fé ao preparar a sua oferta. Já no caso de Caim, não há nenhuma menção de esforço ou cuidado de sua parte para escolher o que levaria ao Altar.

Ele não buscou as folhagens mais verdes ou mais suculentas, muito menos ofereceu grãos que tivessem sido colhidos de um modo exclusivo e especial para o SENHOR. Portanto, no descaso de Caim, percebemos Quem era Deus para ele: Alguém comum, que merecia algo qualquer.
O desfecho dessa história nós já sabemos.

Então se, por um lado, temos da parte de Deus liberdade para escolher como servi-Lo, seja com honra, seja com desonra, por outro, não temos como alterar as consequências que virão pela maneira como escolhemos tratá-Lo.

Ao receber uma oferta, o SENHOR não faz a menor questão de esconder Se aprova ou reprova o doador. Deus é transparente; ou seja, quando uma oferta perfeita chega ao Altar, logo Ele exalta o ofertante. Em contrapartida, quando o Altar recebe uma oferta imperfeita, logo Deus mostra o Seu desprazer em relação àquele que a deu.

E por causa dessa reprovação, muitos têm questionado a justiça de Deus, a igreja ou o pastor, quando deveriam olhar para si mesmos. Afinal, no íntimo de cada um estão as respostas do seu fracasso. Jamais essas falhas estarão no Deus Absolutamente Justo!

É preciso ter consciência que a vida de cada um depende da sua oferta de vida a Ele. Ninguém pode interferir em nossa escolha: nem Deus, nem o diabo, nem as pessoas, nem as circunstâncias. Porque todos recebem a liberdade para glorificar ou desprezar o SENHOR.

Finalizo dizendo que, sendo Deus o Todo-Poderoso, poderia impor com autoridade a Sua vontade, mas Ele preferiu nos deixar livres para decidir nosso próprio caminho. E assim, somos nós que geramos nossa vitória ou nossa derrota, por isso está escrito:

“Vejam, hoje lhes dou a escolha entre bênção e maldição!” (Deuteronômio 11.26)

Gostou? Então compartilha:

Deixe um comentário