Você não é fraco se você falar

Eu amo minha vida, Eu me senti muito bem, sentir um pouco mais confiante,

Você não é fraco se você falarUma pesquisa da Fundação de Saúde Mental confirma isso. Ela mostrou que, em 2017, 75% dos que cometeram suicídio na Grã-Bretanha eram do sexo masculino.

David Baer conquistou tudo o que queria: fama, reconhecimento, garotas; mas nada disso pôde preencher o enorme vazio que ele tinha dentro de si. Mas ele entendeu a importância de se abrir em vez de lutar sozinho. Leia sua história para descobrir como ele conseguiu fazer isso.

“Durante a maior parte da minha infância, eu estava sozinho na Alemanha, onde nasci. Minha mãe partiu com uma das minhas irmãs para começar uma vida melhor para nós na Inglaterra. Eu fiquei com meu pai e a minha irmã mais velha, que quase nunca ficavam em casa. Eu era bem jovem, então me sentia extremamente negligenciado. Eles só me deixavam dinheiro e comida.

Como eu estava praticamente crescendo sozinho, permiti que outros jovens me influenciassem, e foi assim que fui apresentado ao sexo e às garotas. Embora isso me fizesse sentir um pouco mais confiante, ainda não tirava aquela sensação de negligência, o que me causava uma tristeza profunda.

Quando vim para a Inglaterra, ainda tinha muitos ressentimentos contra a minha família, por não me darem a atenção que eu precisava quando criança. Foi em uma festa que eu fui visto pela primeira vez – não simplesmente visto, mas reconhecido. Me pediram para dançar e enquanto eu estava dançando, todo mundo estava me dando atenção. Naquele momento, me senti bem. As pessoas gostaram de mim, elas me notaram. Eu queria mais! Então, comecei a dançar na minha área local com dois outros amigos. Nós começamos a ser conhecidos em Leeds, onde eu morava. Muitas garotas vinham até mim, assim como estranhos querendo ser meus amigos. Mas eu ainda queria mais.

Decidimos nos inscrever no Britain’s Got Talent. Foi o maior palco da minha vida, minha chance de ser reconhecido pelo mundo. Chegamos às semifinais e eu estava até tendo o apoio da minha família, mas nada preenchia o insuportável vazio que eu tinha dentro de mim. Consequentemente, eu só queria acabar com tudo.

Foi quando um amigo me convidou para o VYG, o grupo jovem no Centro de Ajuda. Eu me senti muito bem naquele lugar. As pessoas lá eram muito acolhedoras e os conselheiros estavam dispostos a me ouvir, então me senti confortável o suficiente para me abrir. Essa foi a primeira vez que eu me abri sobre o que eu estava sentindo. Antes, eu não queria parecer um cara fraco, mas eles não me julgaram. Na verdade, eles tinham passado por problemas semelhantes aos meus e conseguido superá-los.

Eles me deram conselhos práticos e, conforme fui os aplicando, minha vida começou a mudar pouco a pouco. Eu entendi que não eram as garotas, dinheiro ou fama que me trariam a felicidade interior, mas algo maior. Eu precisava da paz que vem de Deus para me preencher. Portanto, decidi fortalecer meu relacionamento com Ele e perdoar minha família. Isso permitiu que ficássemos mais próximos.

Resumindo, abandonei tudo o que me intoxicava emocionalmente – como os rancores que eu guardava contra a minha família – e trabalhei no desenvolvimento do meu interior, me recompondo e me dando valor. Hoje sou realmente feliz. Minha família está unida e eu não sinto mais aquela tristeza profunda. Eu amo minha vida.”

David Baer

Gostou? Então compartilha:

Deixe um comentário