O tiro que saiu pela culatra

God, Holy Spirit, Jesus, mesmos projetos e objetivos, mudaram para Londres, participar da Terapia do amor, um homem de Deus, uma pessoa calma,

Venho de uma família religiosa ( não convertidos), meus pais eram ricos até o dia que decidiram se divorciar, a  daí começaram todos os nossos problemas. Aos 12 anos comecei a me envolver com más companhias na escola e caí nos vícios. Bebia e fumava no pátio do colégio, e ao longo do tempo as coisas só pioraram.

Meu pai se relacionava com várias mulheres e devido a esta situação ele perdeu todos os bens que possuía. Desesperado diante de tanta perda, ele tentou matar a minha mãe. Eu o vi atirar nela, felizmente o tiro pegou de raspão, porque alguém bateu na porta e o meu pai saiu correndo, mas mesmo assim minha mãe ficou ferida e teve que ser levada ao hospital.

Ao presenciar tudo isso me revoltei ainda mais, e com o passar do tempo, comecei a beber e a fumar mais, frequentar noitadas e, é claro, me envolver com vários homens. Nessa época, decidi ir morar sozinha e trabalhar em outra cidade. Cometi muitos erros, entre eles fazer um aborto, além de tatuar várias partes do meu corpo.Numa noite, enquanto voltava de mais uma noitada, sofri um acidente, o carro capotou várias vezes, fiquei um dia em coma e quase morri. Mesmo assim não mudei de vida, tinha o desejo constante de buscar algo que me fizesse feliz, pois sentia um grande vazio no peito. Tive vários  relacionamentos acreditando que iria preencher este vazio, acreditava em contos de fada!

Até que minha mãe e minha irmã se mudaram para Londres, e dois anos depois eu cheguei aqui. Após dois anos da minha estada no Reino Unido, minha mãe voltou ao Brasil. Fiquei com muita saudade dela e isso fez com que o vazio que eu carregava no peito retornasse com força total. Sendo assim, me afundei ainda mais nos vícios e passei a ter pensamentos suicidas. Diante de tanta angústia, liguei um dia para minha mãe em busca de consolo, mas ela me disse que não podia fazer mais nada por mim, além de orar. Nessa época, sem que eu tivesse conhecimento minha mãe já frequentava o Centro de Ajuda, e ela me disse para que eu fosse procurar lá o apoio que eu precisava.

Aceitei o seu conselho e fui ao Centro de Ajuda, lá fui recebida por um Homem de Deus, que me orientou a fazer uma Corrente de libertação espiritual. Quando a Campanha de Israel chegou  decidi participar com a intenção de pedir a Deus por uma transformação na minha vida sentimental, mas ao pegar o envelope decidi pedir para conhecer verdadeiramente a Deus, porque uma vez que tivesse Deus em minha vida, teria também um  homem de Deus. E assim fui em frente com o meu sacríficio, abri mão de comprar coisas para mim, vivia com o básico, tudo para sacrificar no Altar de Deus pela minha transformação.

No dia da entrega do meu envelope, lembro que antes de subir ao Altar, não me importei com quem estava ao meu lado, abri meu coração para Jesus e ouvi Ele dizer que me perdoava, me aceitava e me lavava de todos os meus pecados e que todo este tempo Ele havia cuidado de mim. Ele me falou também do seu amor e do quanto me amava.

A partir deste dia passei a ser uma pessoa calma, adquiri controle sobre as minhas vontades e fui liberta dos vícios (bebidas e cigarros). Passado um tempo comecei a participar da Terapia do amor, onde encontrei um homem de Deus. Estamos noivos e nos casaremos em breve.  Estamos na mesma fé, temos os mesmos projetos e objetivos.

Não paro de lutar, pois por mais que eu fale sobre a pessoa que eu era, só eu e Deus é que sabemos de onde Ele me tirou. Hoje tenho paz e alegria, conheço um Deus vivo e sou muito feliz.

Paula Anacleto Dias, Finsbury Par

Gostou? Então compartilha:

Deixe um comentário