Muito mais de Deus

Como consequência, decidi voltar, nada grave,

 

 

Muito mais de Deus Nasci em Cabo Verde. Morava com minha mãe, até que um dia ela decidiu viver em Portugal. Fiquei com a minha avó e um tio, mas sentia muita falta da minha mãe. Quando ela partiu chorei durante uma semana e passei a me alimentar muito mal. Desconsolada com o abandono, comecei a me rebelar, a brigar com todo mundo e a sentir um ódio imenso da minha mãe.

Aos 11 anos fui para Portugal acreditando que ao chegar lá minha vida seria um mar de rosas, mas infelizmente não foi o que aconteceu. Sofri discriminação na escola por causa da minha cor e sempre estava envolvida em confusões.

Perdi minha virgindade aos 14 anos e naquele mesmo ano o marido da minha tia tentou me violentar. Contei a minha mãe o que houve e por causa da minha tia, ela não fez nada. Passei a ter mais ódio dela e planejar a sua morte. Aos 15 anos tentei o suicídio pela primeira vez, tomei vários comprimidos e cortei meus pulsos, mas nada grave aconteceu.

Aos 16 anos fui violentada por um conhecido e mais uma vez não tive o apoio da minha mãe. Aos 17 anos engravidei e vim para Londres morar com minha irmã e meu cunhado na esperança de que aqui seria um lugar melhor para criar meu filho, mas a família acabou me convencendo a fazer um aborto. Depois disso, minha vida foi ao fundo do poço, uma destruição total.

Comecei a beber, fumar e dormir com vários homens. O ódio me dominava, queria matar todas a pessoas que estavam ao meu redor. Toda a minha família estava contra mim. Dessa forma, aos 20 anos decidi voltar a Portugal. Nessa época conheci meu marido. Desta vez achava que poderia ser feliz mas a felicidade durou bem pouco. Logo vieram os mesmo problemas, a família dele não me aceitava devido à minha cor.

Retornamos a Londres onde decidi recomeçar minha vida, mas tudo que eu tentava fazer dava errado, começando por trabalho e estudo. Devido a tudo isso comecei a sofrer com depressão, insônia e nervosismo. O ódio que havia dentro de mim crescia dia após dia. Eu gritava com meus filhos e meu marido, perdia totalmente o controle ao ponto de tentar me matar. Viciada em computador, não fazia mais minha obrigação de esposa, de mãe e muito menos de dona de casa.

Eu não sabia dar amor e cuidar da minha família, pois não sabia dar aquilo que não havia recebido quando era criança. Com o tempo passei a ter dores de cabeça e sagramento no nariz constantes, além de me tornar viciada em compras online. Como consequência, adquiri uma dívida de nove mil libras. Sem condições de pagar o montante, meu nome ficou sujo na praça. Diante de tantos problemas eu e meu esposo passamos a brigar muito e chegamos ao ponto de nos separar.

Contudo, na tentativa de resolver a situação, meu marido me convidou para ir ao Centro de Ajuda com ele. Ao participar das reuniões fui aprendendo sobre a palavra de Deus. Quando a Campanha da Fogueira Santa chegou me lancei dando o meu tudo. Vendi roupas, sapatos, e saquei tudo que tinha no banco para fazer o meu sacrifício.

Decidi me batizar e depois de um mês a mudança que ocorreu em mim se tornou visível, já não tinha mais dores e consegui o trabalho que eu tanto queria. No entanto, o meu objetivo maior era ter um encontro com Deus. No dia 21 de janeiro, no último Jejum de Daniel, recebi o Espírito Santo, e assim pude ver claramente a transformação na minha vida. Hoje sou uma mulher feliz, tenho um sorriso no rosto, paz, alegria, vivo de bem com meu marido e meus filhos.

Agradeço à Deus por tudo que Ele tem feito na minha vida e isso é apenas o começo, quero muito mais. Eu tenho fé para receber as benções e promessas de Deus.

Herondina Correia Torres

 

 

Gostou? Então compartilha:

Deixe um comentário