Destino final

amigos e familiares, Campanha de Israel, problemas da nossa família,

Destino finalA minha infância foi muito perturbada, triste e vazia. Fui abandonado pelo meu pai quando eu tinha apenas dois anos de idade.

A minha mãe separou-se do seu último parceiro com seis filhos após sermos todos agredidos verbalmente e fisicamente por ele.

A nossa casa parecia um pequeno inferno; éramos todos tristes e oprimidos. A minha mãe cuidou de nós sozinha, sem condições nenhumas.

Nós chegamos até a dormir na rua por alguns dias chegamos ao ponto de passer fome e muitas necessidades.

Dependíamos de vizinhos, amigos e familiares, para nos dar o que comer. Às vezes, a minha mãe deixava-me em casa encarregue dos meus irmãos enquanto ela ia trabalhar.

Eu tentei ajudar a minha mãe com as coisas de casa. Mesmo pequeno, eu já tinha a consciência que queria uma vida melhor para nós.

O pouco de dinheiro que a minha mãe recebia não era suficiente para quase nada. Nós nos vestíamos mal, muitas vezes passamos noites no escuro porque o dinheiro dela não era suficiente para pagar as contas como a luz, água e gás.

Para preencher o vazio causado pelo sofrimento, comecei a fazer amizades e procurei nas noites uma solução. A minha mãe no entanto continuava a procurar ajuda em bruxos e pessoas que diziam ter uma solução rápida para resolver os problemas da nossa família.

Como o filho mais velho eu a acompanhava. Nós pensávamos que as coisas realmente iam mudar, pela esperança que nos era dada e as soluções que nos mostravam. Tudo fazia sentido na nossa mente, o que não sabíamos é que estávamos a mexer com o mal.

Entre os meus 18 e 19 anos, pensei que teria força e condição para mudar a nossa situação, mas aí a minha vida foi de mal para pior.

Comecei a ter pesadelos, pensamentos de suicídio e tornei-me numa pessoa fechada. A angustia, a tristeza e o vazio aumentava cada vez mais. Todas as portas se fecharam, e vi na minha vida exatamente o que tinha acontecido com a minha mãe.

casosreaisDENTRO12Todos os problemas que aconteceram com ela começaram a acontecer comigo. Eu procurava emprego e raramente encontrava e se encontrasse não ficava lá muito tempo.O pouco dinheiro que conseguia não durava muito tempo nas minhas mãos tão pouco chegava para cobrir as nossas despesas.

Às vezes até recebia oportunidades muito boas, tinha aquela alegria momentânea, mas logo dava errado.

Tinha medo do escuro e não conseguia ficar sozinho. Tinha dores de cabeça constants que não tinham explicação.

Fui a vários médicos e especialistas, fiz vários testes, mas os teste não acusavam nada. Isso foi realmente o meu fundo do poço. Senti-me desesperado e sem forças para lutar. Desisti de viver, preferia a morte do que a vida que tinha.

Envolvi-me com várias mulheres e nenhuma delas me satisfazia, bebia até cair e às vezes juntava-me com gangues com quem fazia assaltos e cheguei a ser perseguido pela policia. Eu perdi o controle da minha própria vida ao ponto de pensar que estava a ficar louco.

Comecei a ver vultos, a ter visões de coisas e foi aí que pensei em tirar a minha própria vida. Entretanto conheci a minha esposa, começamos a namorar e pensei que a minha vida fosse ter uma nova direção, eu gostava muito dela e ela de mim. Tivemos vários problemas por causa da minha infidelidade.

Mesmo sem dinheiro, nem trabalho decidimos nos casar e pensamos que as coisas depois do casamento fossem ser diferentes. Não tínhamos casa própria e vivíamos em casa da minha sogra.

Foi aí que decidimos nos mudar para Londres, mais uma vez tive esperança que as coisas realmente iam dar certo. Conseguimos encontrar emprego, compramos a nossa casa e parecia que as coisas realmente iam dar certo.

Mas logo vieram as dificuldades e quase perdemos a nossa casa. Cheguei ao ponto de me separar da minha esposa por três meses. Entrei em outra depressão, parecia que o passado me perseguia.

A minha mãe foi à procura de ajuda e encontrou o Centro de Ajuda. Ela começou a frequentar as reuniões e vi mudanças na vida dela. Um dia ela convidou-me a ir e eu aceitei.

Ao chegar no Centro de Ajuda recebi conselhos que me ajudaram muito. Participei das Correntes de Oração e busquei em Deus uma solução para todos os meus problemas e ai encontrei a porta que sempre procurava. A depressão e a tristeza foram embora, eu já não tinha medo do escuro.

Aos poucos me libertei de toda a maldição. A minha esposa também começou a frequentar o Centro de Ajuda. Frequentava-mos juntos e mudanças começaram a acontecer nas nossas vidas.

Tudo estava a melhorar, até ela deixar de frequentar o Centro de Ajuda durante 2 anos e meio. Não me deixei abalar, pois aprendi a ser forte e perseverante. Foi quando eu participei na Campanha de Israel para a transformação total na minha família. Depois da Campanha de Israel, houve um dia em que eu a encontrei no Centro de Ajuda e conversamos com o Pastor.

Ela decidiu retornar e desde então começamos a ver uma saída, reconhecemos que realmente nos amamos e começamos a lutar um pelo outro tendo Deus em liderança de tudo.

Hoje temos um casamento muito feliz, vivemos em paz. Nada nos falta financeiramente etemos uma filha linda. Agora eu vejo que o meu destino realmente mudou. Hoje temos o Espírito Santo, e com Ele somos completos.

João Lopes

Gostou? Então compartilha:

Deixe um comentário