Como eu restabeleci minha vida depois de perder tudo

agradeço a Deus, teria nenhuma chance, todos os negócios,

Como eu restabeleci minha vida depois de perder tudo

Foram as melhores férias que eu já tive! Eu e o meu esposo amávamos viajar. Nossas últimas férias em Londres foram impressionantes!

Eu era uma empresária de sucesso e o meu marido tinha contratos lucrativos com o departamento de turismo de toda Santa Lúcia. Ninguém nos segurava. Nós aproveitávamos a vida ao máximo. Tudo era perfeito. Eu tinha de tudo: uma família carinhosa, dinheiro, felicidade e minha própria casa.

Eu não tinha a mínima ideia de que ao voltar para Santa Lúcia, meu marido estaria envolvido em um acidente de carro fatal. Em um instante sua vida foi arrebatada…

Chegamos em Santa Lúcia após umas férias maravilhosas. Dias depois, eu dei um beijo de despedida no meu marido, pois ele estava saindo com meus dois irmãos para beberem algo depois do almoço. No caminho, ele perdeu o controle do carro e acabou escorregando para fora da estrada principal, caindo diretamente no abismo. Por conta do impacto, os que estavam sem cinto de segurança voaram para fora do carro. Meu marido sofreu um golpe tão súbito que seu pescoço quebrou imediatamente. Eu estava devastada. Não conseguia suportar a morte dele, e entre o dia da morte e do funeral, nem sei dizer o que aconteceu porque até hoje é apenas uma tela em branco. Orei, chorei, fiquei em pedaços. Precisava sair da ilha, pois tudo lembrava o meu primeiro amor. Eu tinha o perdido. Sentia como se o mundo lutasse contra mim para obter a herança do meu marido e suas propriedades Gastei toda nossa poupança em seu funeral.

Não estava agindo racionalmente. Me lembro de entregar todos os negócios ao amigo do meu marido e pedir ao meu irmão Linborn que ajudasse a dirigir os autocarros turísticos com os quais o meu marido tinha contratos urgentes.

Tirei os meus meninos da escola, juntei todo o meu dinheiro e fui viver na Inglaterra, longe da vida que vivia anteriormente em Santa Lúcia. Estava hospedada em um quarto pequeno com os meus filhos. Tudo era caro. Meu dinheiro estava acabando…

A minha família me pedia para voltar. Nunca permiti que eles soubessem das minhas dificuldades para que não se preocupassem. O medo começou a se instalar: “Como os meus filhos vão comer hoje? ” Eu não conhecia o país e não tinha trabalho. Eu estava apenas respirando, não vivendo. Um dia o desespero chegou ao limite. Eu precisava de ajuda urgentemente. Estava andando com o meu filho Lance sem rumo nas ruas. Chorando e orando, eu disse: “Deus, eu preciso de Ti. Se o Senhor existe, então tem que me ajudar. ” Pouco tempo depois dessa oração, me deparei com um sinal azul escrito Centro de Ajuda.

Ao entrar, um pastor me cumprimentou imediatamente. Ele me convidou para conversar. Fiquei horas derramando minhas dores em seu ouvido. Ele escutou todas. Depois, me aconselhou a voltar no domingo e iniciar uma Corrente de Oração. De alguma forma eu sabia que isso era o que eu precisava. No domingo, havia outro pastor fazendo a reunião. Ele perguntou se havia alguém presente que precisasse de uma resposta urgente.

Me levantei corajosamente e fui para frente. Ele estava feliz em ver a minha fé. Eu não tinha tempo para o orgulho e precisava de respostas! Disse que queria ver uma ação de Deus, pois já não tinha mais esperanças.

Ele fez uma oração forte por mim. Eu nunca tinha recebido uma oração como essas antes. Foi tão profunda. No final, senti como se uma tonelada de tijolos tivesse sido retirada dos meus ombros. Eu me senti tão leve. É engraçado porque a minha vida ainda estava em ruinas, mas eu tinha essa garantia inexplicável de que tudo ia ficar bem.

Ele me disse para crer que Deus providenciaria. Eu cri além da esperança. Fui introduzida à fé! Ao caminhar para casa, passei por um caixa eletrônico e vi uma nota de £20 pendurada! Olhei à minha volta, mas ninguém estava lá. Levei e comprei comida para os meus meninos para aquela semana. Fiquei tão feliz!

Nessa mesma tarde, recebi um telefonema de uma amiga que tinha conseguido um emprego como baby-sitter, mas ela estava muito ocupada e queria saber se eu poderia substituí-la e ainda receberia o dinheiro em mãos. Eu comecei no dia seguinte! Através desse cliente, fui apresentada a outra pessoa que precisava de alguém para limpar sua casa e outra que precisava de mim para cuidar de seus filhos. Quando percebi, tinha mais empregos do que horas trabalhadas! Nesse mesmo tempo, eu recebi ligações da minha mãe, que disse que meu irmão mais novo, Linborn, estava fora de controle. Ela estava me implorando para que ele viesse e ficasse comigo, pois ela temia pela vida dele. Ele estava bebendo muito e se envolvendo com pessoas erradas. Eu não podia negar, mas, ao mesmo tempo, tinha dito a minha mãe que eu estava bem. Sinceramente, eu estava vivendo em um quarto – onde é que Linborn iria ficar? Naquela mesma semana, uma pessoa para quem eu limpava a casa gostou tanto de mim que me pediu para eu me mudar para sua linda casa no Norte de Londres porque ela não queria mais viver lá! Inacreditável!

Seis meses se passaram e eu já não estava mais legal no país. Quando as pessoas descobriram, fiquei desempregada. Solicitei um visto de estudante, mas o meu pedido foi negado. Não pude viajar durante dez anos. Eu enfrentei tempos difíceis. Não podia trabalhar e não importava quantas vezes me aplicava para tirar a residência no Reino Unido, nada estava acontecendo. Eu não conseguia entender como minha vida havia mudado e como eu tinha perdido a esperança, com dois meninos para criar. A minha vida era o inferno na terra!

Eu estava frequentando regularmente o Centro de Ajuda. Cada vez que me sentia para baixo, eu era inspirada por uma mensagem de motivação. Eu lutei. Como mãe, eu tive que pensar no futuro dos meus filhos – eu era tudo o que eles tinham.

Apliquei-me novamente – sem condições. Decidi ser honesta e contar toda a história ao Home Office. Cinco anos se passaram, meus filhos se tornaram adultos e nenhuma resposta! Mesmo meu irmão que veio depois de mim, que eu convidei para o Centro de Ajuda, cresceu muito na sua fé e, por um milagre, conseguiu seus documentos. Ele começou a trabalhar, se casou, teve sua própria casa, viajou e eu estava na mesma posição! Eu estava contente por ele, mas ao mesmo tempo era muito dolorido. O que estava acontecendo? A minha aplicação foi rejeitada pelo Home Office.

Eu apelei.

Anos se passaram – eu não ouvia nada.

A minha cunhada me encorajou a conferir o pedido no Home Office. Eu estava com medo. Estava usando a minha fé, orando todos os dias, mas eu não queria dar esse passo. Foi então que criei coragem e liguei para eles, mas eles não encontraram a minha aplicação. Depois de algum tempo, eles confirmaram que haviam escrito uma carta de deportação semanas antes para um endereço que não era o meu. Comecei então a ser bombardeada com mensagens pedindo para deixar o país.

Procurei aconselhamento jurídico e me disseram que não tinha chance. Meus filhos já eram adultos e, portanto, nenhuma aplicação feita em conjunto seria aceita. Meu irmão e minha cunhada me incentivaram a apelar novamente! Acabamos no tribunal. A ansiedade em casa era demais. Eu não conseguia dormir bem. Estava estressada. Neste momento, foi-me dito que eu e os meus filhos tínhamos de assinar papéis no Home Office todas as semanas e estávamos sujeitos a ser deportados a qualquer momento. Foi- me dada uma data no tribunal, mas do nada foi adiada. Meses passaram e a data da audiência foi emitida novamente.

Eu orei. Antes da audiência, minha advogada disse a mim e a minha cunhada que eu não iria ganhar. Ela foi clara ao afirmar que eu não teria nenhuma chance.

Eu não suportava mais…

Não conseguia pensar.

Só chorava. A minha cunhada me deu as mãos e nós oramos. O caso, então, foi adiado novamente, pois a minha advogada não tinha todos os papéis prontos a tempo. Seria isso uma bênção disfarçada? Me livrei Veronica retorna para casa depois de 10 anos

dessa advogada negativa e comecei do zero. Meses e meses se passaram e eu e a minha família voltamos ao tribunal. O meu irmão deu um dos muitos depoimentos para o juiz, explicando como eu vim para o país.

Naquele dia tudo correu bem e o juiz pareceu mais concentrado nos erros do Home Office por não responder as minhas aplicações a tempo e por enviar a carta de deportação para o endereço errado. Quatro semanas depois, no aniversário de casamento do meu irmão, recebi um telefonema do meu advogado dizendo que eu e os meus filhos recebemos nossa autorização de residência no Reino Unido!

Liguei para o meu irmão e minha cunhada imediatamente! “Deus agiu!“, disse gritando de felicidade. Ninguém pode dizer que isso não foi a mão de Deus. No Natal passado, eu surpreendi os meus pais e fui visita-los em Santa Lúcia. A minha mãe começou a chorar! Todos os dias recebi visitas de primos e amigos. Pela primeira vez em uma década, eu e todos os meus irmãos estávamos juntos e unidos no mesmo lugar. Finalmente, consegui enfrentar meus medos e colocar de lado todos os anos de dor que senti ao perder o meu marido.

Hoje, eu tenho um emprego de tempo integral e pago meus impostos. Abri uma conta bancária e comprei meu próprio celular. O meu apartamento novo está sendo reformado. Tenho minhas economias, já entrei de férias duas vezes e tenho planos para muito mais este ano! Deus me restaurou e me deu um futuro.

Agradeço a Deus e a este país por me ter concedido permissão para permanecer aqui.”

Veronica Changoo-Cepal

Gostou? Então compartilha:

Related Post

Deixe um comentário