Fingir realmente compensa?

joseph“Eu guardava muito ressentimento em relação ao meu pai… Sentia que ele não estava nem aí para mim e que eu não recebia a atenção que precisava dele, então o culpava por muitos dos meus problemas. Sempre ansiava por algum tipo de atenção, seja entre amigos ou nas redes sociais – onde quer que fosse. Eu era inseguro e confuso.

Por não receber a atenção de meu pai, a procurava principalmente nas redes sociais, através de fotos que postava em festas, com amigos ou roupas novas. Chegou um ponto em que eu vivia apenas para pagar roupas de grife e tênis, para ter algo para mostrar. Mudei de visual: deixei meu cabelo crescer, coloquei piercings várias vezes, e publicava tudo nas redes sociais. Eu não estava fazendo aquilo porque queria, mas porque achava que impressionaria as pessoas ao meu redor.

Eu andava com pessoas que não eram minhas amigas, apenas para fazer parte de um grupo e ‘parecer legal.’ Fui a festas nas quais eu nem me sentia confortável. Estava sempre fingindo ser alguém que eu não era.

Em minha busca por uma identidade, me tornei cada vez mais rebelde e absorvia muitas influências negativas. Havia uma raiva em mim que continuava a crescer, fazendo com que eu fizesse e dissesse coisas que não combinavam comigo. Mas no fundo, havia aquela questão: ‘Pai, onde está minha atenção?’

Fui convidado pela primeira vez à Igreja Universal por um colega de classe, e alguns anos depois, quando minha mãe me convidou, decidi ir. Comecei a participar das reuniões de jovens que eles têm (para mais informações, acesse victoryyouthgroup.co.uk) e lá ouvi mensagens e testemunhos de pessoas que foram capazes de mudar suas vidas.
Eu percebia que eles haviam recebido algo real e forte, e queria o mesmo.

Portanto, tomei a decisão de eliminar todas as coisas tóxicas da minha vida – coisas que percebi que eram erradas – além de lutar contra os complexos internos que carregava. Decidi fazer de Deus meu Pai, meu tudo; aplicar Suas palavras à minha vida e entregar a Ele todas as dificuldades que eu tinha. Não tentei mais viver minha vida com base em meu próprio entendimento, mas da forma como Deus pretendia que eu vivesse. Foi isso que gerou uma mudança positiva em mim.

Aprendi que tudo o que eu procurava estava em Deus. Às vezes, pensamos que são as coisas materiais que nos satisfarão, mas essa satisfação dura apenas um tempo – logo, elas passam e você volta a se sentir da mesma maneira. Mas quando você constrói uma vida que tem Deus como fundamento, percebe que tudo o que procurava estava nEle, o tempo todo!

Enfrentei muitos desafios em minha jornada, e muitos deles foram batalhas internas, pois eu enfrentava várias dúvidas. No entanto, meus momentos pessoais com Deus – meu Pai – me fortaleciam. Minha perseverança e decisão de continuar também me ajudaram no caminho da mudança – e eu certamente recebi a atenção dEle.

Hoje, não odeio mais meu pai biológico e tenho um relacionamento muito melhor com ele – que, agora, inclui atenção. Não preciso mais buscar a atenção de outras pessoas, porque valorizo quem me tornei, por isso não defino meu valor com base em opiniões alheias.

Minha autoconfiança vem do meu relacionamento com Deus. O que me mantém firme em minha jornada é a mudança interior que recebi de Deus, além de saber que Ele quer fazer muito mais por mim e em minha vida. Na Universal, ouvi e vi exemplos reais de pessoas que conseguiram conquistar a mudança que eu estava procurando. Fui inspirado pelos exemplos dos conselheiros que me ajudaram e pude ver sinceridade nas coisas que eles me ensinavam. Hoje, sou um desses exemplos encorajadores para outras pessoas.”

Joseph Louis-Xavier

Gostou? Então compartilha:

Deixe um comentário