“Eu sou muito jovem para ter câncer”

conselho do médico, uma mentalidade forte,

“Em janeiro do ano passado, notei uma pequena mudança na forma dos meus seios, em seguida senti um caroço. Fui rapidamente ver meu médico e ele confirmou que eu tinha de fato um caroço do tamanho de uma bola de golfe.”

Uma semana depois, Pamela fez uma mamografia e biópsia de emergência. Ela foi informada de que os resultados levariam três dias para chegar; três dias que ela descreve como os mais longos de sua vida.

Quando os resultados voltaram, seu mundo desabou – o médico disse-lhe as cinco palavras que ninguém quer ouvir: “Você tem câncer de mama.”

“Quando me disseram que eu tinha câncer de mama, e que se não fosse tratada eu poderia morrer, eu não podia acreditar. Isso foi um choque muito grande, especialmente porque não há antecedentes de câncer de mama na minha família. Não só isso, mas eu não me sentia mal na época que encontrei o caroço.     

Perguntei ao médico se ele tinha certeza. Eu era muito jovem; cheguei até a falar que eles tinham cometido um erro.”

Infelizmente, não foi um erro. Pamela tinha câncer de mama em estágio 2 e teria que passar por quimioterapia, radioterapia e cirurgia.    

“Eu frequento o Centro de Ajuda há 15 anos. Mesmo quando me sentia muito doente depois das sessões de quimioterapia, eu participava das reuniões e Deus sempre me fortaleceu.

Não queria fazer uma cirurgia, mas depois de falar com um dos conselheiros, lembrei-me da fé inteligente, de que eu deveria sempre seguir o conselho do médico. Orei, jejuei e disse a Deus: ‘que a Sua vontade seja feita e não a minha!’

Eu também mudei o jeito que eu me alimentava e comecei a incluir mais frutas e verduras na minha dieta, além de beber dois litros de água por dia.”

Com a mente fixa em superar essa doença, ela lutou contra tudo, permanecendo ativa dentro da comunidade da igreja durante o período de sua doença.

“Depois de sete sessões de quimioterapia, meus médicos disseram que o tumor havia diminuido para 2cm, mas também me disseram que eu poderia precisar de mais quimioterapia após a cirurgia. Determinei que eu não queria mais quimioterapia, então fiz um propósito com Deus determinando que eu não precisaria de mais quimio.

Eu continuava ajudando e me voluntariando na igreja sempre que podia. Meus amigos e familiares também foram um pilar fundamental durante a minha doença.”

Felizmente, com uma mentalidade forte, uma equipe médica fantástica e sua fé, Pamela foi informada de que não precisaria de uma segunda rodada de quimioterapia e precisaria de apenas três semanas de radioterapia após a cirurgia.

“O tratamento para o câncer não me impediu de ser ativa. Se eu posso, você também pode. Nunca desista.”

Pamela Carolan

Gostou? Então compartilha:

Deixe um comentário